ARENA BRUTA – Rodeio com mais conteúdo

O melhor conteúdo sobre o verdadeiro esporte do Cowboy

Arena em Debate 53: Balanço da NFR

O ARENA EM DEBATE DESTA SEMANA DESTACA A NATIONAL FINALS RODEO, SEUS CAMPEÕES, SEUS DESTAQUES, SUAS DECEPÇÕES E TAMBÉM A GRANDE FINAL DA EKIP ROZETA QUE ACONTECE NESTE FIM DE SEMANABlog Arena Bruta

No primeiro ARENA EM DEBATE após o encerramento da NFR 2013, os Colunistas Abner Henrique e Eugênio José falam sobre tudo o que rolou no evento, além da grande Final da Ekip Rozeta e da já tradicional aposta de equipes entre os dois

Abner Henrique: Depois de 10 dias acompanhando a National Finals Rodeo, fica difícil encontrar o principal destaque, já que foram tantos. Então vamos começar falando de Trevor Brazile, que o site da PBR chamou de “o atleta mais dominante dos esportes individuais no século 21” e eu assino embaixo. Durante a NFR ele garantiu seu 19° título mundial, recorde histórico na PRCA. Poucos dias depois, na mesma arena ele se tornou o primeiro atleta a chegar a US$ 5 milhões em prêmios na PRCA. Considerando o rodeio como um todo, ele é o segundo a atingir esta marca, já que Justin McBride, que só competiu na PBR, foi o primeiro. Mas ai vem uma comparação justa. McBride disputou um campeonato que dá US$ 1 milhão de bônus ao campeão e venceu duas vezes. Na PRCA não há bônus aos campeões mundiais e Brazile garimpou cada centavo dos seus atuais US$ 5.029.313. Em média, os rodeios da PRCA pagam entre US$ 5 mil a US$ 8 mil ao campeão, com raras exceções passando dos US$ 10 mil e somente a vitória na NFR atualmente excedendo os US$ 20 mil. Vai ser difícil aparecer um cara mais eficiente e vitorioso que Trevor Brazile, não é Eugênio José?

Trevor Brazile na prova do Laço do Bezerro (Foto: Tom Donoghue)

Trevor Brazile na prova do Laço do Bezerro (Foto: Tom Donoghue)

Eugênio José: Com certeza, ele é um mito diferenciado, e os números mostram isso, não adianta reclamar falar que esse ou aquele cowboy fez isso ou aquilo, ele Trevor, conseguiu 19 títulos mundiais, 11 como All-Around, e competindo em três modalidades diferentes, como já citei aqui Abner, podemos contar aos nossos netos que vimos (mesmo a distância) Trevor Brazile laçar. Sobre os cinco milhões de dólares, você foi muito detalhista, ele conseguiu isso de pouco em pouco, sem grandes quantias, realmente algo admirável. Embora você diga que seja difícil um destaque, eu destaco  Sherry Cervi, foi a única em todas as modalidades que ultrapassou os 300 mil dólares, correu demais nos últimos meses, e “Exprudiu” na final ganhando o prêmio Top Gun, que é o competidor ou competidora que mais dólares ganha na final. Porque todo esse diferencial Abner?

AH: Eu acredito que a palavra seja “decisão”. Veterana, com três títulos mundiais e maior ganhadora de prêmios da história dos Três Tambores, ela teve um começo de ano parado, afastada dos rodeios, mas veio com força total a partir de maio e acho que naquele momento, com uma vitória atrás da outra, ele decidiu que queria ganhar o quarto título mundial e ganhou. Estabeleceu recordes, foi impecável na NFR. Do jeito que esperavamos, ou seja, ela não amarelou. No Tambor, cito ainda outros três destaques: Taylor Jacob, que surpreendeu logo em sua primeira Final e foi 4ª colocada no Campeonato e Lisa Lockhart, que saiu lá da 10ª colocação para o 3° lugar no Ranking final. O outro destaque é Shada Brazile, que fez sua primeira NFR. Ela não foi exatamente brilhante, mas foi a única além de Sherry Cervi a não derrubar nenhum tambor. Podemos dizer que ela fez uma Final segura, não abusou muito, não ganhou muito dinheiro, mas no resultado final, ficou em segundo lugar, sem erros. Mas quem decepcionou e muito, foi o irmão dela, Tuf Cooper. O que houve com ele Eugênio José, esteve irreconhecível?

Sherry Cervi, bateu recordes e conquistou seu quarto título mundial (Foto: Tom Donoghue)

Sherry Cervi, bateu recordes e conquistou seu quarto título mundial (Foto: Tom Donoghue)

EJ: Sem comentários para Tuf Cooper, eu disse no Arena em Debate antes da final que era  a modalidade mais “pré-decidida” da NFR, realmente ele foi incomparável com ele mesmo. Foi o cara que laçou muito o ano todo e teve dez dias infelizes, e esses dez dias eram a NFR, ai não tem jeito. Ele já ganhou o primeiro título em 2011 laçando mau, mas, deste vez não deu. Nesta lista de “decepções” incluo muitos Abner, Bobby Mote, Cody Wright, Casey Martin, Mary Walker, enfim, final é final e quem  erra menos chora menos. Abner, esta foi uma NFR especial, com muitos recordes, quais os de mais destaque?

AH: Antes de mais nada quero discordar de você quanto a Mary Walker ter sido uma das decepções. Ela derrubou tambor em três das 10 noites, certo, mas derrubou por arriscar as curvas fechadas. Porém, nos outros 7 Round’s onde ela não foi penalizada ela ganhou dinheiro, incluindo 6 noites em segundo ou terceiro lugar. Ela brigou até o fim e se a Cervi não tivesse uma vantagem tão grande ou ido tão bem na NFR, Walker poderia ter sido Bi-Campeã. Agora falando de recordes, o primeiro foi do Trevor Brazile, como já citamos, 19 títulos mundiais. Kaycee Feild foi o primeiro a vencer o Mundial três anos consecutivos no Bareback desde a década de 70 e também se tornou o primeiro atleta a vencer a NFR e o Campeonato três vezes consecutivas. Sherry Cervi se tornou a terceira competidora da história a vencer quatro Campeonatos e ainda bateu recorde de maior soma de dinheiro em um mesmo ano. No Laço do Bezerro, Shane Hanchey quebrou uma seqüência de 18 anos, onde só laçadores do Texas eram Campeões, sendo que ele, Campeão também da NFR e Trevor Brazile, vice, bateram o recorde de melhor soma de tempo do evento, que durava desde 1997. Também nesta modalidade, Cody Ohl igualou o próprio recorde de vencer 5 dos 10 Round’s em um mesmo ano e ainda se tornou o segundo maior vencedor de Round’s na NFR em todos os tempos (52), atrás apenas de Brazile. Nos Três Tambores, Taylor Jacob marcou o melhor tempo da história da NFR na modalidade, 13.36 segundos. E é claro, J.W. Harris, primeiro Tetra-Campeão na Montaria em Touros desde os títulos de Don Gay, entre 1974 e 1984. Por isso posso afirmar, foi sem dúvida a NFR mais emocionante dos últimos anos.

Shane Hanchey venceu a NFR e conquistou seu primeiro título mundial no Laço do Bezerro (Foto: Tom Donoghue)

Shane Hanchey venceu a NFR e conquistou seu primeiro título mundial no Laço do Bezerro (Foto: Tom Donoghue)

Falando em Final e em emoção, hoje começa a grande Final da Ekip Rozeta em Palestina-SP, você mais um ano estará acompanhando, como está a briga pelo título e o que o público pode esperar desta Final, em termos de qualidade?

EJ: Pois é Abner hoje aqui no Brasil vamos ter a final da Ekip Rozeta em Palestina, que vem crescendo, comendo pelas beiradas como diz o mineiro. O campeão leva um carro, uma moto, sela e fivela, acho que esse tipo de premiação é o básico e necessário, para campeonatos neste porte. Vamos ter lá um briga boa, destacando Cláudio Marcelino, de Ribeirão dos Índios, que lidera, porém, trocou várias vezes de lugar no Júlio Cesar Ribeiro, de Vargem Grande do Sul. Nem existe diferença entre um e outro, e ainda corre por fora Ailton Amorim, e matematicamente oito competidores tem chances, ao contrário do ano passado, onde o título já estava praticamente decidido, esse ano a briga vai ser boa e vamos estar lá, afinal se a Alfândega de Faxinal deixar, você também vai estar presente!

AH: Voltando a falar de NFR e a nossa já tradicional aposta, venci este ano, com um desempenho excepcional da “minha equipe”, ou seja, escolhi bem demais. Os meus 16 escolhidos ganharam 5 títulos (em oito modalidades). Cinco deles foram Campeões da NFR e poderia ter sido 6, mas como decidi dividi o Laço em Dupla, escolhi o que venceu entre os “pezeiros”, mas não escolhi seu “cabeceiro”. Da sua equipe apenas um Campeão Mundial e nenhum Campeão da NFR. No geral, fiquei a frente em seis dos 10 Round’s, totalizando US$ 1.089.468,12 contra os seus 964.493,11. O que houve este ano, escolheu errado?

J.W. Harris foi o primeiro a vencer quatro campeonatos nos últimos 30 anos (Foto: Tom Donoghue)

J.W. Harris foi o primeiro a vencer quatro campeonatos nos últimos 30 anos (Foto: Tom Donoghue)

EJ: Você é muito papudo, mas vamos aos fatos. Ano passado, você levou uma surra de 219 mil dólares de diferença, contra uma vitória este ano de apenas 124 mil dólares. Não falo em sorte, falo que a sua vantagem, foi os títulos na NFR, isso fez a diferença, uma vez que nos rounds ficamos praticamente empatados. Mas, não sei onde errei, na verdade escolhi certo, quem teve a opção de escolha optou pelos líderes, e eu fui de Bobby Mote (Bareback) e Casey Martin (Bulldog), ambos tiveram um participação abaixo da média, isso resultou na sua vitória, comemore e pague a aposta o ano passado, porque esta só pagarei em 2014.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 18 de dezembro de 2013 por em Arena em Debate.
%d blogueiros gostam disto: