ARENA BRUTA – Rodeio com mais conteúdo

O melhor conteúdo sobre o verdadeiro esporte do Cowboy

Arena em Debate 43: Reta Final da Temporada 2013

NO ARENA EM DEBATE DESTA SEMANA, MAIS UMA VITÓRIA DE J.B. MAUNEY, INÍCIO DE TEMPORADA NA PRCA, CLASSIFICADAS PARA A FINAL DA ANTT E MUITOS CAMPEONATOS PELO BRASIL

Chegando o fim de ano e alguns campeonatos começam a decidir seus campeões, outros a definir os classificados para a Final da temporada e na PRCA, onde ainda não aconteceu a Final Mundial de 2013, os eventos já começam a valer para o Ranking de 2014

Blog Arena Bruta J.B. MauneyEugênio José: Mais uma vitória de J. B. Mauney, a segunda consecutiva, porém, Silvano Alves, não se abateu, ou melhor, montou bem e terminou em quarto lugar. Não deixou tirar muito a diferença. Abner Henrique, esse ano a classificação final da PBR World Finals vai decidir o título, independente do que acontece antes da final, ou seja, o campeão mundial vai precisar montar bem na última etapa. Las Vegas tem a cara de J. B. Mauney ou de Silvano Alves. Fale sobre o retrospecto de ambos na final.

Abner Henrique: Impossível fazer qualquer previsão. Os dois tem estratégias distintas, mas ambas podem ser eficiente em Las Vegas. A diferença hoje está em menos de 1.400 pontos e há ainda 7.100 pontos em jogo, sendo que J.B. Mauney tem mais uma montaria bônus, valendo outros 200. O que é favorável a Silvano é que ele vai chegar a Las Vegas em primeiro lugar, sabe montar touros duros se for preciso e sabe escolher touros certos quando tem a opção. J.B. tem um retrospecto melhor em Vegas, tirou mais notas acima de 90 pontos que Silvano Alves, venceu mais Round’s. Mas pra quem está assustado com essa “pequena” diferença entre eles e que pode diminuir ainda mais este fim de semana, vamos lembrar a Final Mundial de 2009, quando Kody Lostroh entrou com apenas 785 pontos a frente de J.B. Mauney, que era o terceiro colocado e não segundo. Na época eram ainda 8 Round’s e Mauney parou nos 8 touros, mas mesmo assim Lostroh conquistou o título por uma diferença de 594 pontos, a menor da história. Silvano tem experiência suficiente pra não deixar ele escapar. Agora, mudando de assunto, na semana passada falamos das notas dadas aos americanos. Durante esta última etapa muita gente ainda estava reclamando que Mauney estava sendo favorecido pelos juízes, ai ele vai e ganha o evento mesmo caindo na Final, ou seja, faltou competência nos concorrentes e os juízes não influenciaram em nada. Eugênio José, parece que tinha um nome diferente na relação de juízes tanto em Grand Rapids como em Fayetteville. O que você tem a dizer a quem culpou os juízes americanos e a você mesmo, já que no Arena em Debate 42 você também afirmou que os juízes americanos carregavam nas notas dos compatriotas, ou faziam vistas grossas com irregularidades.

EJ: Sim Abner Henrique, foi uma surpresa a todos e a mim também a presença do Paulo Crimber, na semana onde critiquei duramente os juízes, principalmente na montaria do Jory Markiss, que ganhou o 15/15 engatado até o talo nos nós. Então, fiquem sabendo que, no dia que o J. B. Mauney marcou 93,25 pontos tinha Paulo Crimber, brasileiro julgando. Não temos acesso as notas dos juízes individualmente, então não posso falar nada. Tenho que avaliar como um todo. E a minha critica foi mesmo sobre a montaria de Jory Markiss que montou ao melhor estilo Chris Shivers. Outra coisa que não temos como saber Abner Henrique, foi o motivo desse chamado de Paulo Crimber aos EUA. A primeira vez que isso aconteceu foi na crise de 2011, quando em um rodeio prejudicaram Silvano Alves e Valdiron de Oliveira e na seqüencia Renato Nunes apertou a campainha para denunciar um apelo de Ryan McConnel. O caso foi quase um escândalo e Renato disse que fez isso na época, para os juízes não perseguirem os brasileiros. Coincidência ou não, Crimber retorna aos EUA, em época onde a galera acusam os juízes de superfaturarem as notas de J. B. Mauney. Enfim, pelo menos temos um brasileiro lá, o que é bom para a própria entidade PBR. Aqui no Brasil as disputas estão grandes também, Claudio Marcelino venceu uma etapa da Ekip Rozeta em Cosmorama. Ele é segundo no ranking, e promete brigar muito, no bom sentido, com o líder Júlio César Ribeiro. Esse ano a final da Ekip Rozeta, tem tudo para se definir na última etapa, ao contrário do ano passado quando Dener Barbosa chegou praticamente campeão. O que você me falar dos campeonatos do Brasil Abner Henrique?

Jory Markiss na montaria polêmica da etapa de Grand Rapids (Foto: Andy Watson)

Jory Markiss na montaria polêmica da etapa de Grand Rapids (Foto: Andy Watson)

AH: No Mato Grosso, conhecido como o Celeiro do Rodeio Brasileiro, terminou neste fim de semana  o Circuito MT de Rodeio, organizado pela Federação de Rodeio de lá. Um exemplo para muitas Federações de fachada no Brasil, pois é um Campeonato com 19 etapas, mais a grande Final, data pra começar e data pra terminar. O título, depois de cinco anos voltou para a cidade de Campo Verde, mas desta vez o Campeão Estadual foi Ademar Figueiredo, que venceu duas e chegou a Final de outras nove etapas. Uma curiosidade é que a Federação Matogrossense realiza seu Campeonato desde 2005 e nunca nenhum atleta conseguiu o bi-campeonato. Outro Campeonato que já tem a data da Final definida é o da ANTT, a entidade mais duradoura do Rodeio Brasileiro. A Final será em Cerquilho, entre os dias 14 e 17 de novembro e assim como na temporada passada, haverá duas finais: Gold Race, com as 10 melhores da temporada e o Silvar Race, com as classificadas da 11ª a 20ª colocação. Caroline Rugolo outra vez chega liderando, agora com 225 pontos a frente da segunda colocada, lembrando que ano passado a diferença era de 90 pontos. No Gold Race, 7 das 10 finalistas do ano passado garantiram vaga este ano. Já na categoria Silver Race, apenas uma das 10 finalistas do ano passado se classificaram para a Final de 2013. Um destaque que não podemos esquecer é a pequena Maria Eduarda Silva, líder da categoria Mirim e que se classificou também para a Final Gold Race. Eugênio José, voltando aos EUA, a PRCA literalmente não para e já tem eventos valendo para o Ranking 2014. Parece que nessa temporada tem alguns competidores que não querem descanso antes da NFR não é?

EJ: Abner Henrique, desde quando acompanho a PRCA, nunca vi um inicio de temporada como esse, com tantos nomes importantes competindo já nos primeiros eventos. Realmente foi uma surpresa. O grande evento da semana que se passou – talvez seja esse o motivo – foi na cidade de Kissimmee na Flórida, onde o campeão de cada modalidade ganhou US$ 4 mil, e então praticamente todos os campeões deste evento lideram em suas modalidades. Luke Branquinho no Bull Dog, Taos Muncy na Sela Americana, Mary Walker nos Três Tambores foram nomes que ganharam e lideram a temporada 2014 da PRCA. Já na modalidade touro, Cody Teel, que não ganhou na Flórida, lidera a temporada, o mesmo acontece com Steven Dent no Bareback. Aqui no Brasil, as etapas da IPR – International Pro Rodeo, parecem dar sorte aos “prata da casa” não é Abner Henrique e mais uma vez um competidor da cidade vence um evento, desta vez em Campo Grande (MS).

AH: A etapa de Campo Grande aconteceu durante o já tradicional “Rodeio 8 Segundos” em uma arena totalmente coberta e aliou uma bela organização local com a organização da IPR. O Campeão da etapa foi Valdeir Domingues, que mesmo não entrando na Final na liderança, fez a melhor montaria e terminou a frente do atual líder do Ranking, Diego Borges. E pra finalizar por hoje, temos uma notícia da volta de Brian Canter, que prometeu que a partir de janeiro estará nas arenas da PBR novamente. Muita gente se lembra e pergunta dele, pois Canter foi um dos grandes destaques da temporada 2006 e 2007. Em março de 2011 ele sofreu um grave acidente, passou semanas na UTI e quando se recuperou do traumatismo craniano teve que enfrentar uma grave infecção em uma das pernas, contraída no hospital. Nestes quase três anos de tratamento ele correu inclusive o risco de ter de amputar a perna, mas persistiu. Eu particularmente acreditava que ele havia desistido de montar, mas ele estava esperando a liberação dos médicos. A pergunta que fica é: Brian Canter pode ser uma das salvações dos norte-americanos? Uma coisa eu garanto, ele ainda tem apenas 26 anos e desde muito novo foi muito melhor que estas “revelações” americanas que estão ai hoje, como Chase Outlaw. Mas devemos considerar que depois de tantos anos afastado é impossível prever como ele voltará e se a gente analisar outros como McKennon Wimberly e Pistol Robinson, que ficaram muito tempo fora das arenas e depois que voltaram não eram mais os mesmos, não se pode prometer nada.

Brian Canter vai retornar as arenas depois de quase 3 anos afastado e enfrentar um traumatismo craniano e uma infecção grave na perna (Foto: Bill Greenblatt)

Brian Canter vai retornar as arenas depois de quase 3 anos afastado e enfrentar um traumatismo craniano e uma infecção grave na perna (Foto: Bill Greenblatt)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 9 de outubro de 2013 por em Arena em Debate.
%d blogueiros gostam disto: