ARENA BRUTA – Rodeio com mais conteúdo

O melhor conteúdo sobre o verdadeiro esporte do Cowboy

Tag Elliott – Da tragédia à vitória nas arenas

DOIS DIAS APÓS COMPLETAR 19 ANOS DE IDADE, TAG ELLIOTT SOFREU UM TERRÍVEL ACIDENTE NA ARENA QUE DESFIGUROU PARTE DE SEU ROSTO, MAS AS CICATRIZES NÃO ATRAPALHARAM OS SONHOS DO COMPETIDOR QUE HOJE É UM DOS 10 MELHORES NO RANKING MUNDIAL

 

(por @HenRiQue_Bad) O sonho de alguns jovens de serem campeões nas arenas, muitas vezes ficam pelo caminho devido as dificuldades, os acidentes, os medos e vários outros motivos. Sempre que olha no espelho, Tag Elliott, hoje com 23 anos, pode encontrar em seu rosto parcialmente desfigurado o motivo para nunca mais ter montado em um touro, mas o jovem campeão nunca abandonou seu sonho e quase cinco anos após a tragédia faz sua melhor temporada em eventos da PRCA e segue entre os 10 primeiros do Ranking, rumo a sua estréia na Final Mundial. O acidente aconteceu no dia 24 de julho de 2007, exatamente dois dias após seu aniversário, quando Tag competia no Days of’47 Rodeo em Salt Lake City, um dos mais importantes eventos de verão do campeonato. Em sua temporada de estréia e liderando o Ranking de Melhor Novato do ano, ele sorteou Werewolf, touro de propriedade da Flying U Rodeo e que já havia proporcionado 96 pontos para o Tri-Campeão Mundial J. W. Harris e 94 pontos para Luke Snyder. Em menos de três segundos, Elliott que não usava capacete, foi puxado violentamente e bateu seu rosto contra o chifre esquerdo do touro, caindo ao chão desacordado. Todos os ossos do lado direito de seu rosto – da testa ao maxilar – foram quebrados, além de uma artéria rompida e muitos dentes perdidos.

Targett Elliott nasceu em uma pequena cidade no norte do estado de Utah e foi o terceiro em sua casa a seguir carreira nas arenas. Seu pai, Steve, competiu em Bareback, se classificando várias vezes para as Finais estaduais e seu irmão mais velho, Zack, também monta em touros nos eventos da PRCA. Ele estreou profissionalmente em janeiro de 2007, poucos meses depois de ter se tornado Campeão Colegial em seu estado e em pouco tempo já era destaque como uma das jovens revelações da temporada, conquistando sua primeira vitória na arena de Tucson, um dos mais tradicionais eventos do país. Nesta mesma época ele estudava e competia pela equipe de Rodeio da Universidade de Idaho, onde era treinado pelo Tri-Campeão Mundial de Sela Americana Shawn Davise foi vice-campeão nacional de Rodeio Universitário cerca de um mês antes do acidente. Até a trágica noite ele já havia competido em 37 eventos e estava em 24° lugar no Ranking Mundial. Os US$ 28.500 ganhos lhe deixaram na terceira colocação entre os melhores novatos do ano.

Tag Elliott montando em Pocatelo no estado de Idaho em uma de suas vitórias este ano

Apesar da brutalidade do esporte e o perigo eminente que cada montaria oferece, aquele acidente causou espanto tanto no público presente na arena de Salt Lake, quanto nos profissionais do rodeio, e ganhou repercussão em várias emissoras de TV e jornais do estado. A primeira cirurgia durou mais de 10 horas, e depois de seis dias ele já estava em casa, mas ficou sem poder conversar por mais seis semanas, devido a fratura no maxilar. Sua mãe Mitzi, contou em uma das diversas entrevistas que deu após o acidente que sempre pediu que ele usasse capacete, mas raramente era atendida. A grande questão sobre o futuro de Tag Elliott nas arenas também foi respondida por ela: “Eu acredito que ele não vai conseguir parar de montar e nós nem vamos tentar convencê-lo a não voltar aos rodeios.” Um mês depois de sair do hospital e ainda com a boca imobilizada devido aos pontos cirúrgicos, Elliott retornou as aulas na Faculdade e apesar de trazer no rosto as terríveis marcas daquela noite, tentou seguir normalmente sua vida.Ele conta que não se lembrava de nada desde momentos antes da montaria e que quando acordou acreditava que tivesse tido um sonho ruim. “Ele quebrou todos os ossos do lado direito do meu rosto, quebrou um pedaço da minha testa e meu maxilar, relembra Tag que declarou que quando lhe contaram o que aconteceu ele apenas pensou: “Vou superar isso.” Nos meses seguintes o competidor passou por outras 14 cirurgias buscando reconstruir sua face da melhor maneira possível e durante todo o tempo que esteve afastado do esporte, seus amigos do rodeio fizeram inúmeras campanhas e leilões para pagarem as despesas médicas e ajudá-lo no período de recuperação.

Sequência de fotos do acidente. Na esquerda, Elliott frações de segundos antes de ser puxado de encontro a cabeça do touro e na Direita, já atingido ele voa em direção ao chão

Um ano após o acidente, Tag Elliott já fazia planos de voltar a competir, mas foi convencido pelos médicos de que devia esperar o momento certo. Depois de alguns treinos, no dia 10 de maio de 2009 ele viajou para Woodlake na Califórnia onde fez sua reestréia. Ele acreditava que sentiria um certo nervosismo ao subir no lombo de um touro novamente, mas que como não se lembrava de nada daquela noite que marcou sua vida, deixaria a vontade de competir falar mais alto. “É um esporte perigoso, mas é divertido e as lesões fazem parte dele,” declarou o competidor em uma entrevista a TV. Coincidentemente o sorteio lhe deu Olomana Ivory, touro do mesmo proprietário de Werewolf, que então já estava aposentado das arenas. Quase 22 meses após o acidente, Tag estava novamente em uma arena e apesar de lhe render apenas 75 pontos e a quarta colocação no evento, aquela montaria certamente teve um significado muito especial em sua vida. No restante daquela temporada ele competiu em outros 20 eventos pela PRCA, conquistando duas vitórias e a 95ª posição no Ranking final. Em sua temporada de volta as arenas Elliott também ficou com a quarta colocação no Circuito Universitário e a 13ª no Championship Bull Riding, importante campeonato organizado pelo lendário Tuff Hedeman onde ele competiu com atletas do nível de J. W. Harris, Wesley Silcox, Pistol Robinson, Cody Whitney, entre outros. Depois de ter usado o ano de 2009 como um período de readaptação, nas duas últimas temporadas ele voltou a ser competitivo e esteve presente em grandes eventos como Cheyenne, Salinas, Reno e Fort Worth, terminando em 28° em 2010 e 30° em 2011. Também em 2010, quando concluiu sua graduação em Gestão Rural com especialização em Eqüinos, ele foi terceiro colocado no Circuito Universitário. Mesmo ganhando US$ 84 mil na PRCA nas últimas duas temporadas, Tag Elliott oscilou entre fases boas e ruins e pouco lembrava aquele jovem promissor de 2007. Uma grande dúvida ficou no ar: será que o acidente realmente o impediu de se tornar um competidor de alto nível? Mas a resposta pra esta pergunta ele já deu nos primeiros cinco meses deste ano.

Tag Elliott antes do acidente, sua foto recente pode ser visualizada em seu perfil no site da PRCA cujo link se encontra abaixo

Tag Elliott iniciou esta semana na nona colocação do Ranking da PRCA, mas durante quase todo o mês de maio ele ocupou a oitava posição, se colocando como grande favorito a uma das 15 vagas para a Final Mundial. Este certamente é o grande objetivo de sua carreira e em sua melhor fase o competidor tem provado que merece a vaga. Ele tem apenas duas vitórias desde janeiro, porém se destaca pela regularidade e tem ganhado premiação na maioria dos eventos que compete, mesmo que seja de pequeno valor. Os US$ 28.983 ganhos até este último fim de semana lhe colocam a pouco mais de US$ 4 mil de alcançar um lugar entre os cinco melhores do Ranking. Suas duas vitórias vieram em eventos da segunda divisão do Xtreme Bulls em Austin e Pocatelo, mas ele também participou de todos os eventos da divisão principal e como o Ranking deste Campeonato, que reúne a elite da Montaria em Touros na PRCA, considera todo dinheiro ganho em qualquer uma das divisões, ele ocupa a quarta posição, atrás apenas do respeitado Kanin Asay e dos novatos Cody Teel e Brett Stall. Em tese, ele precisará ganhar cerca de US$ 70 mil até o fim de setembro para se classificar para a National Finals Rodeo, mas com a chegada dos rodeios de verão, onde aumenta o número de eventos e conseqüentemente a chance de ganhar dinheiro, ele pode garantir nos próximos 60 dias mais uns US$ 20 mil, que lhe deixariam muito perto de seu objetivo.

Depois de tudo que passou em 2007, Tag praticamente teve que recomeçar do zero e este ano parece que ele finalmente se reencontrou com seu talento nato. Por um lado pode-se pensar que as marcas em seu rosto não atrapalham em nada, pois as partes fundamentais que ele precisa para montar como ombros, joelhos, entre outros, estão sadios. Mas vale ressaltar a importância do lado psicológico e que apesar de hoje só montar usando capacete, é difícil fugir das lembranças de 15 cirurgias e metade dos ossos do rosto estilhaçados por um touro. Ele ainda teve que aprender a conviver com o fato de não ter um rosto bonito ou apresentável e muitas vezes se tornar o centro das atenções nos eventos onde passou por causa de suas cicatrizes. Hoje ele ainda pode ser considerado quase um novato e que tem brigado bravamente para se tornar um competidor de elite, mas com certeza por seu amor ao esporte, sua força de vontade e seus resultados, Tag Elliott já é um dos destaques da temporada.

Profile de Tag Elliott no site da PRCA http://prorodeo.com/Profile.aspx?xu=795

Fotos: Todd Brewer (CBR); James Fain e Tom Smart (PRCA)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 7 de junho de 2012 por em Cowboys, PRCA.
%d blogueiros gostam disto: