ARENA BRUTA – Rodeio com mais conteúdo

O melhor conteúdo sobre o verdadeiro esporte do Cowboy

J.B. Mauney é o Campeão Mundial da PBR 2013

J.B. MAUNEY FEZ POR MERECER E APÓS SER O ÚNICO INVICTO EM LAS VEGAS, COM UMA DIFERENÇA SIGNIFICATIVA PARA OS DEMAIS COMPETIDORES, CONQUISTOU SEU PRIMEIRO TÍTULO MUNDIAL PELA PROFESSIONAL BULL RIDERS

J.B. Mauney conquistou seu primeiro título mundial na PBR (Foto: André Silva)

J.B. Mauney conquistou seu primeiro título mundial na PBR (Foto: André Silva)

 

(por Abner Henrique) Analisando rapidamente todos os esportes, parece que não há nenhum outro atleta norte-americano que já tenha causado tantas feridas no coração do público brasileiro como J.B. Mauney. Depois de “calar” Barretos na Copa do Mundo da PBR em 2009, na noite deste domingo o competidor quebrou a série de títulos consecutivos para o Brasil na PBR, o que na visão de muitos – erroneamente – é inaceitável.

Durante os cinco dias da PBR World Finals o que se viu foram pessoas que de uma forma ou de outra, pegaram o “bonde andando” e não pouparam acusações a juízes, diretores, sistema de pontuação, computador da PBR, etc. Estas pessoas, que em sua maioria só passaram a conhecer a PBR quando o Brasil passou a ter cinco, seis, dez atletas de destaque, ignoraram completamente que não há americano capaz de “roubar” para um compatriota se ele não parar em seus touros. E isso J.B. Mauney fez – parou em todos os seis touros que montou, inegavelmente.

A história do primeiro título mundial do competidor natural da Carolina do Norte, começou a se desenhar em 2008, com a aposentadoria de Justin McBride, até então o maior ídolo das arenas naquele país. Única esperança real de título para o país, Mauney carregou nas costas a responsabilidade de frear o avanço dos brasileiros na PBR. Ao contrário do que acontece por aqui, mesmo “batendo na trave”, ele continuou tendo o apoio incondicional dos fãs, que nunca perderam as esperanças e ontem puderam comemorar, finalmente.

Depois de uma reação incrível no segundo semestre, J.B. Mauney superou Silvano Alves e conquistou o prêmio de US$ 1 milhão na PBR (Foto: Andy Watson)

Depois de uma reação incrível no segundo semestre, J.B. Mauney superou Silvano Alves e conquistou o prêmio de US$ 1 milhão na PBR (Foto: Andy Watson)

J.B. Mauney chegou a Las Vegas como um dos treze atletas que ainda mantinham chances reais de título e sem dúvida, como um dos dois principais candidatos. Seu desafio era vencer o quase imbatível Silvano Alves, que havia conquistado os dois últimos títulos, tornando-se o primeiro a atleta a vencer consecutivamente na PBR. Olhando para o Ranking, Mauney que havia chegado a Final em segundo lugar, ainda via mais quatro brasileiros no seu pé. Durante as cinco noites da Final Mundial, Mauney e Alves se alternaram na liderança, o que com a ajuda da mínima diferença de pontos, tornou 2013 no título mais disputado de todos os tempos.

Silvano Alves havia dominado todo o primeiro semestre, até a parada para as férias de verão, que durou de maio a agosto. Neste período, ele continuou pontuando no Brasil, já que este ano, os pontos ganhos aqui valiam diretamente para o mundial. Com uma lesão nas costelas, Mauney decidiu ficar em casa assim que as férias da principal divisão começaram e só retornou as arenas em julho, durante o Calgary Stampede, o principal rodeio do Canadá e que ele conquistou pela segunda vez este ano.

Em agosto, a principal divisão da PBR retornou para as suas nove últimas etapas antes da Final Mundial em Las Vegas. J.B. Mauney, que havia saído para as férias em 10° lugar no Ranking, registrou a maior reação já vista na história do campeonato. Ele teve a melhor série de eventos consecutivos em 20 anos de PBR, vencendo cinco das nove etapas e não deixando de pontuar em nenhuma outra, enquanto Silvano Alves pontuou em apenas sete eventos. Em pontos, somente neste período, Mauney marcou 2.327,75 pontos a mais que o brasileiro, números que por si só, justificam o título, mesmo antes da PBR World Finals.

PBR WORLD FINALS 2013

Após começar o domingo sendo o único a ter parado nos quatro touros que havia montado entre quarta-feira e sábado, J.B. Mauney estava em uma situação confortável. A pontuação acumulada lhe daria o título ainda no Round 5, bastando para ele apenas parar em seu touro, sem depender do resultado dos outros competidores. Isso, porque parando no Round 5, Mauney já se garantia a frente de Silvano Alves na classificação do evento, além de garantir pelo menos a segunda posição, independente do que viesse acontecer no Short-Go.

J.B. Mauney na montaria que garantiu seu primeiro título mundial, ainda durante o Round 5 (Foto: André Silva)

J.B. Mauney na montaria que garantiu seu primeiro título mundial, ainda durante o Round 5 (Foto: André Silva)

Após três tentativas de sentar sobre o touro Harlem Shake, Mauney teve direito a um re-ride, já que o animal não deu condições, o que causou nos fãs brasileiros – que esquecem as regras e pensam apenas com o coração, muita polêmica e reclamação. O título foi confirmado a bordo do touro Ford Hammer Down, que lhe rendeu 91.00 pontos, outra nota muito contestada. Apesar disso, temos que ressaltar que ele suportou os oito segundos sobre o animal sem nenhuma irregularidade, o que independente da nota lhe deu o título Mundial de 2013.

Com esta nota, ele abriu 107 pontos de vantagem sobre o então segundo colocado, Cláudio Crisostomo, o que lhe garantiu também, mesmo antes do Short-Go, seu segundo título na PBR World Finals. O Round Final, apesar de tudo já estar decidido ainda teve uma carga de emoção, principalmente porque a PBR não havia oficializado a vitória de Mauney e muitos ainda acreditavam na terceira vitória de Silvano Alves, sem se dar conta que matematicamente isso era impossível.

No Short-Go, apesar de mais uma nota contestável, J.B. Mauney mais uma vez permaneceu os oito segundos sobre seu touro, garantindo o título invicto pela segunda vez. Em 2009, quando ainda era oito Round’s, ele também havia terminado o evento sem cair de nada. Com as seis paradas, Mauney somou 546,25 pontos, ou seja, 116,25 pontos a mais que Silvano Alves, que parou em cinco dos seis touros, mas teve uma nota baixa na primeira noite. Com quatro paradas, Cláudio Crisostomo garantiu a terceira colocação, em sua primeira aparição em Las Vegas, seguido de Cody Nance e Guilherme Marchi, ambos com quatro paradas.

Com a segunda maior premiação da história da PBR, J.B. Mauney ultrapassou Guilherme Marchi e agora é o competidor em atividade que mais ganhou dinheiro no Campeonato (Foto: André Silva)

Com a segunda maior premiação da história da PBR, J.B. Mauney ultrapassou Guilherme Marchi e agora é o competidor em atividade que mais ganhou dinheiro no Campeonato (Foto: André Silva)

Além do bônus de US$ 1 milhão pelo título mundial, J.B. Mauney ainda embolsou mais US$ 250 mil pela vitória em Las Vegas. Recebendo premiação em todos os Round’s, incluindo quatro vitórias de US$ 25 mil cada, ele somou ainda mais US$ 130 mil, o que lhe rendeu somente em Las Vegas, US$ 1.380 milhões. Na temporada toda ele somou US$ 1.810.710 milhões, a segunda maior premiação da história, perdendo apenas para Justin McBride, que embolsou US$ 1.858 milhões em 2007. No ranking de maior soma de dinheiro ganho na história da PBR, Mauney hoje só perde também para McBride. Com a vitória de ontem ele chegou a US$ 4.644 milhões, ultrapassando Guilherme Marchi, que detinha a segunda colocação. Até hoje, somente McBride, Mauney e Marchi ultrapassaram os US$ 4 milhões em prêmios na PBR.

Brasileiros em Las Vegas

Este ano, novamente 13 brasileiros passaram pela arena de Las Vegas. Onze deles conseguiram classificação no TOP 35 da temporada: Silvano Alves, João Ricardo Vieira, Marco Eguchi, Guilherme Marchi, Eduardo Aparecido, Fabiano Vieira, Valdiron de Oliveira, Emílio Rezende, Renato Nunes, Edevaldo Ferreira e Cláudio Crisostomo. O 12° participante foi Alex Marcílio, indicado pela PBR Brazil e Agnaldo Cardozo, que ficou como primeiro reserva, passou a competir a partir da segunda noite.

Bi-Campeão Mundial, Silvano Alves lutou até o último segundo para conquistar o Tri-Campeonato consecutivo (Foto: André Silva)

Bi-Campeão Mundial, Silvano Alves lutou até o último segundo para conquistar o Tri-Campeonato consecutivo (Foto: André Silva)

Sete destes brasileiros se classificaram para o Short-Go, que reuniu os 15 melhores do evento. Silvano Alves, foi o único além de J.B. Mauney a parar em cinco dos seis touros, somando 430,00 pontos. Cláudio Crisostomo ficou com a terceira colocação, após cair apenas de dois touros em sua estréia em Las Vegas, enquanto Guilherme Marchi também terminou no TOP 5, na quinta colocação. João Ricardo Vieira com três paradas foi o sétimo, Valdiron de Oliveira e Eduardo Aparecido, também com três paradas cada um ficaram respectivamente em 11° e 12° lugar. Renato Nunes, que parou em apenas dois touros foi o outro brasileiro na Final, terminando em 13° lugar.

Edevaldo Ferreira, que não montou no domingo devido a uma lesão no cotovelo esquerdo, terminou em 22° lugar, enquanto Fabiano Vieira foi o 27°. Ambos pararam em apenas um touro durante a PBR World Finals. Emílio Rezende, que sentiu dores no quadril após uma queda no Round 2, caiu dos cinco touros que montou. Marco Eguchi agravou uma lesão na virilha ainda na primeira noite e deixou a competição, sendo substituído por Agnaldo Cardozo, que também não conseguiu obter nenhuma nota. Alex Marcílio também caiu dos seus dois primeiros touros e como era convidado, não pode montar a partir de sexta-feira.

Pelo quarto ano consecutivo o Brasil conquista o título de Rookie of the Year, desta vez com João Ricardo Vieira (Foto: André Silva)

Pelo quarto ano consecutivo o Brasil conquista o título de Rookie of the Year, desta vez com João Ricardo Vieira (Foto: André Silva)

Na classificação Final da temporada, além do vice-campeonato de Silvano Alves, que terminou 977.75 pontos atrás de J.B. Mauney, o Brasil ainda teve outros dois atletas no TOP 5: João Ricardo Vieira, que conquistou o título de Rookie of the Year foi o terceiro no Mundial, enquanto Guilherme Marchi ficou em quarto. Marco Eguchi em sexto e Eduardo Aparecido em sétimo, também terminaram no TOP 10. Claúdio Crisostomo, mesmo montando em apenas seis etapas da temporada, fechou o ano na 12ª colocação, sendo o sexto melhor brasileiro em 2013.

Cláudio Crisostomo terminou a temporada em 12° lugar, após ser o terceiro melhor atleta em Las Vegas (Foto: André Silva)

Cláudio Crisostomo terminou a temporada em 12° lugar, após ser o terceiro melhor atleta em Las Vegas (Foto: André Silva)

Entre os 20 melhores ainda tivemos, Emílio Rezende, em 15°; Valdiron de Oliveira, em 16° e Fabiano Vieira em 18°. Os outros brasileiros que competiram em etapas da BFTS este ano foram: Renato Nunes (21°); Edevaldo Ferreira (32°); Agnaldo Cardozo (37°); Robson Palermo (44°); Paulo Lima (48°); Wesley Lourenço (61°); Alex Marcílio (68°) e Wagner Luciano (76°).

Bushwacker conquista o bi-campeonato

Melhor Touro do Mundo em 2011, Bushwacker voltou a conquistar o título no domingo, após ter perdido para Asteroid no ano passado. Com uma carreira de 69 montarias e apenas três paradas, Bushwacker somou 93.50 pontos nas duas montarias que fez em Las Vegas e conquistou a fivela de ouro. Mais uma vez invicto na Final Mundial, ele superou Shepherd Hills Tested (91.75 pontos), Mike & Mouse e Smackdown (91.25 pontos), Rango (90.75 pontos) e Asteroid (90.75 pontos). Sete touro foram selecionados para concorrer ao título deste temporada, incluindo também I’m a Gangster Too. Cada um deles fez duas apresentações em Las Vegas e o que somasse o maior número de pontos, ficaria com o título.

Após derrubar Eduardo Aparecido no Short-Go, Bushwacker garantiu seu segundo título de Touro do Ano (Foto: André Silva)

Após derrubar Eduardo Aparecido no Short-Go, Bushwacker garantiu seu segundo título de Touro do Ano (Foto: André Silva)

Nesta temporada Bushwacker fez 15 montarias, sendo 14 na principal divisão da PBR. Na elite, ele teve apenas uma parada, a histórica montaria de J.B. Mauney, que tirou sua invencibilidade que já durava quase quatro anos. O touro também recebeu seis das 10 maiores pontuações da BFTS na temporada e foi eleito o melhor animal em 10 dos 13 eventos que competiu.

Classificação Final – PBR World Finals – Las Vegas/NV

1 – J.B. Mauney – 546,25 pontos

2 – Silvano Alves – 430,00 pontos

3 – Cláudio Crisostomo – 346,25 pontos

4 – Cody Nance – 345,00 pontos

5 – Guilherme Marchi – 343,75 pontos

6 – Ryan Dirtetaer – 266,00 pontos

7 – João Ricardo Vieira – 265,75 pontos

8 – LJ Jenkins – 264,25 pontos

9 – Matt Triplett – 257,25 pontos

10 – Shane Proctor – 256,25 pontos

Classificação Final – Temporada 2013

1 – J.B. Mauney – 15.695,50 pontos

2 – Silvano Alves – 14.717,75 pontos (-977,75)

3 – João Ricardo Vieira – 10.739,48 pontos (4.956,02)

4 – Guilherme Marchi – 10.283,32 (5.412,18)

5 – Cody Nance – 9.879,79 (5.815,71)

6 – Marco Eguchi – 8.233,55 (7.461,95)

7 – Eduardo Aparecido – 7.983,15 (7.712,35)

8 – LJ Jenkins – 7.509,04 (8.186,46)

9 – Shane Proctor – 6.981,75 (8.713,75)

10 – Mike Lee – 6.794,37 (8.901,13)

J.B. Mauney 16

Fotos: André Silva – Andy Watson – Tom Donoghue

About these ads

4 comentários em “J.B. Mauney é o Campeão Mundial da PBR 2013

  1. joao
    29 de outubro de 2013

    materia muito boa msm mais em questao do touro Bushwacker como fica a montaria do thiago pagioto em 2009????

    • Abner Henrique
      30 de outubro de 2013

      João, na verdade a primeira parada em Bushwacker foi do americano Markus Mariluch, cerca de 2 semanas antes do Thiago Paguiotto. Foi durante um evento da divisão de acesso, também em Las Vegas no ano de 2009. Na ocasião, Bushwacker era novo e tinha apenas quatro montarias oficiais. A do Paguiotto foi a primeira na divisão BFTS, a divisão de elite, justiça seja feita!

  2. johnathan
    28 de outubro de 2013

    ele ganhol mesmo mesmo que os juizes nao desse um impurradinha ele teria ganhado e merecido muitos brasileiros como eu conheco a pbr pessoalmente des de 2004 quando fui morar nos usa nem existia no brasil ainda e sempre os juizes da uma maozinha mas o jb mereceu ganhar mas os juizes tem que colocar a mao na conciencia e parar e puchar para os competidores americanos pq se eles montar melhor que os brasileiros eles vao ganhar sem ajuda de ninguem que nos usa tem muitos competidores no mesmo nivel que os brasileiros esta e minha opiniao falem oque quiseres mas congratilations to jb money!!money mesmo que ele monto no money rsrsr

  3. RoCowgirlFSB
    28 de outubro de 2013

    Parabéns pelo belo texto. Muito explicativo, coeso e imparcial. Justiça seja feita, JB montou muito e essa vitória vem se desenhando desde 2009 quando ele deu um show nas arenas de Barreto. Quem estava lá viu e sentiu que um dia esse menino estaria no topo mais alto do pódio. Congrats JB!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado em 28 de outubro de 2013 por em PBR 2013.
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 48 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: